O que fazer com o dinheiro do Pronampe?

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Mas será que  vale a pena? 

A resposta imediata é sim, mas com cautela. A pergunta mais importante não é essa. A grande questão é: o que fazer com o dinheiro?

O primeiro ponto é entender que “Cash is King” (O dinheiro é rei) em momentos de crise. Esse ditado antigo costuma ser usado para explicar o fracasso das empresas e das famílias nessas fases críticas. Sem a quantidade adequada de dinheiro disponível, todos podem ter grandes problemas e até mesmo ir à falência.

Cash Runway na crise

E a melhor medida para o  nestes momentos críticos é o Cash Runway, ou seja, uma métrica utilizada mundialmente que  afere o fôlego financeiro de uma empresa em determinado período. 

Cash runway: período de tempo em que uma empresa permanecerá solvente, supondo que não consiga levantar mais dinheiro.

A equação para encontrar o Cash Runway de uma empresa é simples: basta somar todo o dinheiro em caixa, nos bancos, contas correntes e aplicações de curto prazo, e dividir pelo gasto mensal. Feita essa conta, é possível identificar, em meses, o fôlego financeiro do negócio.

Toda empresa deveria ter, na pior das hipóteses, 3 meses de Cash Runway. Dependendo da atividade, bem mais que isso. Em um momento econômico tão incerto, uma empresa só estaria “tranquila” com pelo menos 12 meses de fôlego financeiro.

Impacto do Pronampe no Cash Runway

Então, faça as contas : se a sua empresa projeta para 2020 o mesmo faturamento de 2019, o crédito referente ao Pronampe irá aumentar o seu  Cash Runway em até 4 meses. Na verdade, talvez aumente um pouco mais ou menos. Fato é que irá aumentar! E isso é espetacular,  por se tratar  de um dinheiro com baixo custo, prazo longo e pouca burocracia.

O que fazer com o dinheiro do Pronampe?

Com o Cash Runway maior, você poderá tomar decisões com menor pressão sobre outros aspectos que influenciam o fôlego financeiro da sua empresa:

  • Receitas: 
    • investir em produtos de maior margem/giro;
    • investir em sistemas  integrados às  via redes sociais ou marketplaces;
  • Custos operacionais: 
    • investir na trasnsformação digital da empresa;
    • investir na modernização da linha de produção;
    • investir em  automação de ;
    • investir em mecanismos de autoatendimento;
  • Capital de giro
    • renegociar dívidas com serviços mais caros;
    • negociar prazos de pagamento maiores;
    • realizar liquidação de estoques antigos;
  • Ativos tangíveis
    • vender ativos físicos;
    • terceirizar operações que envolvem alta imobilização de capital.

O que não fazer com o Pronampe?

Enfim, a validade de obter o crédito do Pronampe é indiscutível. No mínimo, você aumentará o Cash Runway da empresa, deixando o dinheiro aplicado, como reserva financeira.

O problema é usar esse dinheiro para gasto pessoais, como muitos fazem: trocam a TV, o carro, o apartamento, compram um sítio. Aí criam o cenário de empresário rico e empresa pobre. Na crise, sem liquidez, e com ativos físicos desvalorizados, vendem o sítio, o apartamento, o carro, a TV. E criam assim o cenário de empresário pobre e empresa pobre, que certamente corresponde ao  pior dos mundos.

Written by 

Marketing advisor for accounting firms. Inspiring you to be innovative and successful.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recomendado só para você
  Preparamos perguntas e respostas sobre o programa do governo…